sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

DEZEMBRO CHEGOU!!!

E DEZEMBRO CHEGOU!!!! E veio rápido, na verdade o ano passou rápido.
O que nos lembra Dezembro? Fim de ano, festas, luzes, reunião de família?
Para o mundo é o mês do bom velhinho, para o povo de Deus é a celebração pela bendita vinda do Messias prometido. Troca de presentes no mundo, entre o povo de Deus a graça de ter recebido o melhor dos presentes: a salvação graciosa trazida pelo Rei da Glória.
Reflita sobre a importância dessa data como um momento singular na sua vida.
Não há tempo nem ocasião específica para presentear, pode-se fazê-la a qualquer momento.
Contudo, o Deus encarnado veio na pessoa de Cristo Jesus na plenitude dos tempos para cumprir com louvor a vontade do Pai. Natal não é presente, não são luzes piscantes, não é o velho Noel. Natal é Cristo nascendo em nós a cada dia, vivendo em nós, portanto: regozijemo-nos e exultemos Nele. CRISTO EM NÓS, A ESPERANÇA DA GLÓRIA.
Miss. Rildo Ribeiro.

terça-feira, 28 de novembro de 2017

80 ANOS DA IPB LAGARTO

Foi bênção louvar ao nosso Deus pelos 80 anos da Igreja Presbiteriana de Lagarto. A SAF/Jenipapo participou louvando ao Melhor Amigo, participações do Coral da Igreja 12 de Agosto/Aracaju e pregando a Palavra de Deus o Pr. Emanuel Menezes presidente do Presbitério Sul de Sergipe.




sexta-feira, 17 de novembro de 2017

DEPARTAMENTAL DA SAF

Hoje dia 15 tivemos mais uma Reunião Departamental da SAF. Parabéns às nossas queridas auxiliadoras, que com afinco trabalham na obra do SENHOR.




quarta-feira, 15 de novembro de 2017

AS LÁGRIMAS DE CUNHAÚ

Por: Frans Leonard Schalkwijk*
No ano 2000, os jornais noticiaram a beatificação dos mártires de Cunhaú(1645), no Rio Grande do Norte, pelo Papa João Paulo II. A matança ocorreu durante as primeiras semanas do levante português contra a ocupação flamenga(1630-1654). Uma das reportagens afirmou que essas horrendas barbaridades foram cometidas por ordem do governo holandês no Recife e com a cooperação de um pastor “calvinista”. Sem querer diminuir a monstruosidade do trágico acontecimento, convém lembrar pelo menos três fatos do contexto histórico daqueles dias de guerra que marcaram o começo do fim da ocupação holandesa do Nordeste.
Em primeiro lugar, observamos que não foi o governo holandês que ordenou a chacina, mas ela foi uma vingança por parte dos indígenas em reação às notícias que corriam sobre as crueldades dos portugueses, ajudados por uma tribo selvagem da Bahia. Desde o início da revolta (13/6/1645), cada vez ficava mais claro que, onde os portugueses restabeleciam seu domínio, estava reservada aos índios em especial uma morte terrível. Consequentemente os “brasilianos” (como os holandeses chamaram os índios tupis) se refugiaram perto das fortificações holandesas, consideradas inexpugnáveis. Outros decidiram evitar o desastre aparentemente inevitável e pegaram em armas. Foi isto o que aconteceu em Cunhaú, no Rio Grande do Norte.
Na terra potiguar, a população indígena consistia em grande parte de índios antropófagos (tapuias), sob a liderança do seu cacique Nhanduí. Para os holandeses, os tapuias significavam um bando de aliados meio inconstantes, pois era um povo muito independente, que não aceitava ordens de ninguém, mas decidia por si o que era melhor para sua tribo. Muito amigo da tribo era um certo Jacob Rabe, casado com uma índia; ele servia como elo entre os tapuias e o governo holandês.
Entre os indígenas do extremo Nordeste, havia em geral grande ódio contra os portugueses, sem dúvida pela lembrança de acontecimentos anteriores à chegada dos holandeses, que eram considerados os libertadores da opressão lusa. Várias vezes esses índios quiseram se aproveitar da situação dos lusos como vencidos, para vingar-se deles. Assim, em 1637, depois de Maurício de Nassau conquistar o Ceará, os índios procuraram matar todos os portugueses da região, que então foram protegidos mediante as armas pelos holandeses. A mesma coisa aconteceu no Rio Grande em 1645. Os tapuias sentiram que, com o início da revolta, havia chegado a hora da verdade: eram eles ou os portugueses. E, no dia 15 de julho, começaram por Cunhaú, massacrando as pessoas que estavam na capela e, posteriormente, numa luta armada, o restante.
Em segundo lugar, de fato o nome de um pastor protestante está ligado a esse episódio. Porém, de modo exatamente contrário àquele que se supõe, porquanto não foi ele quem orientou a chacina, mas foi enviado pelo governo para refrear a selvageria dos bugres. Quando, no dia 25 de julho, o governo holandês no Recife soube dos terríveis acontecimentos no Rio Grande do Norte, despachou o Rev. Jodocus à Stetten, pastor da Igreja Cristã Reformada e capelão do exército, junto com o capitão Willem Lamberts e sua tropa armada, “para refrear os tapuias e trazê-los para (o Recife) a fim de poupar o país e os moradores (portugueses)”. Os índios, porém, ficaram enfurecidos com os holandeses, não entendendo como estes podiam defender seus inimigos mortais, e até romperam a frágil aliança com os batavos. Antes de regressar para o sertão do Rio Grande, fizeram ainda outra incursão vingadora contra os portugueses, desta vez na Paraíba.
Em terceiro lugar, notamos o fim dos tapuias e de Jacob Rabe. Alguns meses depois da matança em Cunhaú, esse funcionário da Companhia das Índias Ocidentais, que havia recebido o mensageiro governamental, pastor Jodocus, a mão armada, foi morto por ordem do próprio governador da capitania do Rio Grande do Norte, Joris Garstman. O capitão Joris era casado com uma senhora portuguesa que tinha perdido muitos parentes em Cunhaú. Quanto aos tapuias, depois da expulsão dos holandeses e da restauração do domínio português, os que não quiseram submeter-se à orientação político-religiosa de Lisboa foram massacrados, como diz o Dr. Tarcísio Medeiros, na “mais sangrenta guerra de exterminação que existiu por este Brasil”. Puro genocídio.
Esses três fatos complementares não diminuem em nada o sofrimento de Cunhaú, dessas vidas inocentes esmagadas entre os rolos compressores do moinho da luta armada. Porém, talvez possam eliminar um pouco do veneno da história, por nos permitirem entender melhor o contexto daqueles dias cheios de angústia para ambos os lados. Escrever história objetivamente é muito difícil, ainda mais quando se trata de um caso controvertido como este, com muitos pormenores desconhecidos. Porém, afirmar, como foi feito por certos porta-vozes, que as barbaridades de Cunhaú foram perpetradas a mando do próprio governo holandês, e ainda por cima orientadas por um pastor evangélico, simplesmente não corresponde à verdade. Convém distinguir os fatos da interpretação dos fatos. Isso não atenua, antes aumenta a nossa ansiosa expectativa do dia em que o Senhor enxugará todas as lágrimas, inclusive as de Cunhaú (Ap 7.17).
*O autor é ministro da Igreja Reformada da Holanda e ex-missionário no Brasil. É um estudioso da presença holandesa no nordeste brasileiro, tendo escrito o livro Igreja e Estado no Brasil Holandês.O presente texto foi publicado originalmente na revista Ultimato (maio-junho 2000).
FIDES REFORMATA XV, Nº 2 (2010): 109-111

POEMA DA REFORMA PROTESTANTE

Poema da Reforma Protestante

Eis um período nebuloso, de apostasia e densas trevas,
Assim foi o século dezesseis com o monopólio da religião,
Quando o clero dominante impunham suas próprias regras,
Suplantavam as Escrituras enganando a multidão.
Ávidos, sedentos pelo poder fizeram aliança política,
Juncados no mesmo desejo numa manifestação carnal,
A Igreja de Roma se envaideceu numa eclesiologia lúbrica,
Com a anuência do Estado num projeto colossal.
Mas, em trinta e um de Outubro de mil quinhentos e dezessete,
Eis que surge um atalaia em Nome do Senhor dos Exércitos,
Conhecido como Martinho Lutero; mas soou como voz celeste.
Desafiando os ouvintes à mensagem bíblica, e não aos clérigos.
Ele pagou um alto preço por sustentar suas teses e convicções, E na Igreja de Wittenberg deu-se início à Reforma Protestante,
Não foi sem vilipêndios e hostis ataques em que pregou seus sermões,
Pois sua árdua missão pode ser comparado a Davi e ao gigante.
Lutero não foi o único a desbravar ardil império,
Outrora, John Huss e Wycliffe aludiram a essência do Evangelho,
Prenunciando urgente reforma, mesmo diante de tal vitupério,
Foram obedientes e fiéis à voz do Maravilhoso Conselheiro.
Outros foram os atalaias com afinco na Missão ulterior,
Calvino na Suíça, John Knox na Escócia, todos a serviço do General,
Sistematizando a doutrina e liturgia do culto, para glória de Nosso Senhor,
Com erudição e saber do Espírito Santo, se abstendo de toda forma do mal.
Em tal proeza surgiu, o presbiterianismo em seus primórdios,
Radicados somente na graça de Deus, revelado nas Escrituras,
Mediante a fé em Cristo, isento de ensinamentos espúrios.
Para a glória de Deus, e o bem de gerações futuras.
Esse evento histórico completa seus quinhentos anos,
Como divisor d’águas, no contexto do cristianismo;
Foi além de um manifesto, foi genuíno e cristão de austeros ânimos,
Fiel à Palavra e distinto no ensino, sem dar margem ao ecumenismo.
É preciso resgatar com perspicácia, a mensagem de avivamento,
Pois muitos são os que comemoram essa data tão esplêndida,
Como se fossem apologetas da verdade, e de tal portento.
Faz mister destilar o joio do trigo dessa era repentina.
Vamos todos sem tardança, abraçar a Causa Nobre,
O pendão do Evangelho proclamar em sua essência,
Expedir um Manifesto à luz das Escrituras, tanto a ricos quanto a pobres,
Pois o Dia se aproxima! Ai daquelas igrejas ou de crentes em sua indiferença.

- Rev. Sidnei dos Santos

terça-feira, 7 de novembro de 2017

UM FILME HISTÓRICO PARA O POVO DE DEUS

Hoje às 19:00hs na Igreja Presbiteriana do Jenipapo, passaremos o filme sobre a Reforma Protestante do séc. XVI. Venha aprender sobre o movimento que mudou os rumos da Igreja.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

FELIZ DIA DA REFORMA!

Estou vendo alguns posts sobre o Dia da Reforma e decidi tomar um tempinho para escrever alguns de meus pensamentos.

Todos nós sabemos que a escolha da data de 31 de Outubro de 1517 é (como a maioria das datas na história) arbitrária. É claro, você pode identificar 7 de Dezembro de 1941 com o Pearl Harbor porque foi um evento específico, mas (ainda assim) muitas coisas contribuíram para que ele acontecesse naquele dia. A data que escolhemos para o início da Reforma é ainda mais subjetiva. Isso porque era necessário muitos e muitos fatores para que a Reforma pudesse acontecer, e esses fatores tiveram raízes nos séculos que precederam as ações de Lutero.

Duvido, ainda mais, que Lutero colocaria algum peso sobre essa data em específico. Bem, é claro que ele veria alguma relevância sobre o desafio que havia lançado, mas não mais do que em qualquer um dos outros eventos de sua vida. Ele não tinha intenção alguma de criar uma rebelião contra Roma por suas ações, ele estava apenas fazendo o que a maioria dos professores na Europa faziam naqueles dias: convidando uma escola rival a uma versão escolástica de um jogo moderno de futebol. Em sua mente ele estava seguindo os passos de outros homens piedosos da igreja, e, nesse exato momento, ele ainda não havia reconhecido as questões epistemológicas básicas que ele haveria de ser forçado a encarar em apenas uma questão de anos.

Mas é certo sim marcar o início da Reforma (ainda que façamos isso de forma arbitrária). Poderíamos ter voltado até Wycliffe, ou ter escolhido 6 de Julho de 1415 e a morte de João Huss (pois sua morte teve muita importância). Poderíamos ter ido até a divisão entre Zuínglio e Roma ou a Dieta de Worms e o “Aqui permaneço, não posso fazer outra coisa”. Em todo caso, parece adequado marcar o evento (ao menos para uma pequena minoria).

Para a maior parte do Romanismo e Protestantismo, a Reforma é um evento histórico sem qualquer significado duradouro. Para muitos, na verdade é um trágico evento, um erro, digno de arrependimento de seus adeptos e de repúdio pelos outros. Mas para a maioria é apenas uma nota de rodapé na história e, dada sua teologia e prática, não possui significado duradouro. Entre esses estão os católicos nominais que provam, por suas vidas, que eles realmente não acreditam na maioria das coisas que Roma ensinou. Mas também estão aqueles que são protestantes por conveniência e não por convicção. Para eles a Reforma claramente não apresenta qualquer razão para se celebrar ou refletir nos dias de hoje. Se alguém não aprecia a liberdade que a justificação garante, não se alegra com a imputação da justiça de Cristo (saiba que muitos dos grandes nomes de hoje da “cristandade não-católica” riem disso) e não abraça e confessa o Sola Scriptura, esse alguém não tem razão alguma para refletir sobre o Dia da Reforma (seria melhor ir comprar doces e se juntar às festividades pagãs).

Mas para aqueles que ainda abraçam aos Solas não por uma fidelidade partidária ao que é “legal”, mas por um reconhecimento do eterno valor que essas verdades representam, o Dia da Reforma é um lembrete anual do que realmente importa nesses dias de “verdades” borradas e transitórias. Então, para aqueles que entendem isso, um feliz Dia da Reforma!

***
Autor: James R. White
Fonte: Página do autor no Facebook 

Tradução e adaptação: Erving Ximendes